LEAN_MANUFACTURING
Lean manufacturing é um método de melhoria de processos da empresa. É desenvolvido do ponto de vista logístico. Lean manufacturing  concentra-se na eliminação de desperdícios para se tornar mais rápido e mais eficiente. Todo processo que não adiciona valor para o cliente é eliminado. A filosofia de fabricação Lean é derivada principalmente do Sistema de Produção Toyota (TPS). É conhecido pelo seu foco na redução desperdícios nos processos de fabrição da Toyota. Foram concentrados em sete grandes grupos de desperdícios, a fim de melhorar o valor do cliente. A base de Lean são os 7 desperdícios que devem ser eliminados. Muitos desses também podem estar relacionados aos testes. Eles são:
1) Sobreprodução: Simplificando, a superprodução é fabricar um item antes de ser realmente necessário. No teste, isso pode ser o que queremos: antes do início da execução real, os casos de teste, dados de teste e ambiente de teste são preparados. Por outro lado, temos a certeza de que fazemos uma distinção entre esforço e profundidade de testes com base nos riscos? Não temos demasiada sobreposição entre os níveis de teste? E quanto ao potencial excesso de planos de teste? Todos podem ser vistos como superprodução no teste.
2) Esperas: Sempre que os bens não estão sendo movidos ou sendo processados, ocorre o desperdício de espera. Os processos de vinculação em conjunto, de modo que um alimenta diretamente para o próximo, podem reduzir drasticamente a espera. Ao testar este é um desperdício muito comum e bem conhecido: aguardando projetos, aguardando o ambiente certo, aguardando suporte, etc.
3) Transporte. Transportar um produto entre processos é uma incursão de custo que não adiciona valor ao produto. Para testes, podemos ver a forma como as informações chegam ao testador ou a quantidade de reuniões que existe com a equipe de teste. Reuniões tem uma tenência muito grande de não agregar nada ao processo de testes. Num formato ágil de trabalho, ter a equipe unida e geograficamente próxima ajuda muito no processo de testes.
4) Processamento inadequado. Muitas vezes chamado de “usar um marreta para quebrar uma porca”, muitas organizações usam equipamentos caros de alta precisão, onde ferramentas mais simples seriam suficientes. Todos nós podemos ter exemplos de ferramentas de automação de teste ou uma administração de defeito cara da qual uma grande parte da funcionalidade não é usada. E podemos até pensar em ter muitos casos de teste preparados para uma funcionalidade pequena e simples quando não consideramos os riscos do produto e sua prioridade.
5) Inventário desnecessário. O trabalho em andamento (WIP) é um resultado direto da superprodução e da espera. Em vez de ter bons casos de teste que terminam como prateleiras, o bom controle de versão pode tornar possível a reutilização de casos de teste. Talvez seja possível analisar as equipes de teste e torná-las mais flexíveis para trabalhar em vários projetos. Isso ajuda a ter o número certo de pessoas no momento certo em seus projetos. Outro exemplo: Criar mais casos de teste do que pode ser executado no tempo disponível. Os casos de teste que não podem ser executados não agregam valor ao cliente.
6) Movimento desnecessário / excesso. Este desperdício está relacionado à ergonomia. Como o teste não é tão físico, pode parecer difícil relacionar esse desperdício com o teste. Por outro lado, podemos traduzir isso como a quantidade de esforço gasto para se montar um ambiente de testes adequado para a versão a ser testada. Quanto mais manual for esta atividade e menos despadronizada, maior vai ser o esforço de montagem de ambiente de testes.
7) Defeitos. Tendo um impacto direto para a qualidade da linha de fundo, os defeitos resultantes em retrabalho ou sucata são um tremendo custo para as organizações. Aqui pode ser feita uma distinção entre defeitos no processo de teste e defeitos no produto sob teste. Com o teste, ajudamos a organização a eliminar o desperdício de defeitos do produto. Todo defeito de produto que um time de teste encontra pode ser corrigido antes de entrar em produção. Este é provavelmente o desperdício mais reconhecido relacionado ao teste. O defeito no processo de teste em si é, naturalmente, também um desperdício que temos de estar cientes. Os planos de melhoria também devem incluir nossos próprios processos de teste.
Depois de descrever os princípios de Lean e como eles podem ser aplicados ao teste, esperamos que você também tenha a sensação de que a aplicação dos principios Lean nos conduzirá em um futuro eficiente, rentável e de alta qualidade.
Resumindo, aplicando o Lean Test Management:

  • O processo de teste se tornará mais eficiente. Todas as atividades que Não tem valor acrescentado direto para o cliente, deve ser excluído;
  • A qualidade dos produtos aumentará trabalhando de forma mais inteligente;
  • A melhoria do processo de teste começará a partir da organização e dos processos existentes e, portanto, melhores resultados podem ser obtidos;
  • Serão obtidas informações sobre os processos de testes que também precisam de melhorias para tornar o processo de teste mais eficiente.

E você, já sabe quais são os deperdícios do seu processo de testes? Quer saber como identificá-los? Entre em contato conosco para podermos lhe ajudar !
Atc.
Rodrigo Almeida de Oliveira
Consultor em Desenvolvimento e de Qualidade de Software
 
Referências:
Velocity, Dee Jacob, Suzan Bergland and Jeff Cox, ISBN: 9781439158920
Lean Thinking, James P. Womack, Daniel T. Jones, ISBN: 9780743231640
Implementando o Desenvolvimento Lean de Software: Do conceito ao Dinheiro; Mary e Tom Poppendieck,  ISBN: 9788577807796

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Post comment